“Apenas os pequenos segredos precisam ser guardados, os grandes ninguém acredita” (H. Marshall)

APRESENTAÇÃO ........ HOME......... INICIAL...... .....EDITORA............VIDEOS.......... GRUPOS ...... . GLOSSÁRIO

domingo, 3 de outubro de 2010

Além da Yoga


por Luís A. W. Salvi (LAWS)
www.agartha.com.br

É certo que não podemos pretender colher sem haver antes semeado. De todo modo, estamos chegando a um novo momento da evolução, quando uma farta colheita de luz será possível, coisa esta que pode estimular muitos a realizarem a sua própria semeadura com segurança de causa, na certeza de colher no prazo mais curto possível. Afinal, quanto mais avança a evolução, mais sumárias se tornam as etapas anteriores, especialmente porque a sua realização se demonstra segura e consumada em certas esferas.
A meditação mística, esta técnica espiritual comumente considerada a mais avançada que existe –no plano da evolução humana, com certeza-, tem sido chamada por nós de “ioga do plano mental”. Ora, a esfera mental é aquele plano de trabalhos da raça árya, cujo ciclo encerra em 2012 segundo os antigos maias-nahuas. Com isto, estamos na segurança de poder tratar das coisas da mente com pleno conhecimento de causa.

Aquilo que existe “além da meditação”, pertence já ao foro da iluminação e do plano búdico. Representa assim uma condição de consumação, por isto está relacionado aos objetivos últimos da evolução humana e integra todas as metas proféticas. A condição humana é quaternária (a Humanidade é o quarto Reino da Natureza), de modo que apenas na quarta iniciação as suas metas evolutivas são atingidas, através da fixação da Consciência. Tal coisa envolve os Mistérios do Coração, que é o quarto centro de evolução, através da iluminação plena mediante a ascensão da Kundalini, a força da Shakty (a gloriosa Shekinah de Iahweh) ou a síntese da energia feminina de criação, diretamente relacionado ao puro Amor, essência que é da Consciência.

A expressão “trismegisto” já indica que os mistérios mentais são trinos ou fundados em três partes, afinal, se trata do terceiro plano de evolução (tal como a raça árya é o terceiro ciclo humano). Aparentemente, este tipo de divisão acompanha todos os planos, fazendo das suas estruturas uma analogia do seu todo evolutivo. No caso do plano búdico, podemos citar quatro conquistas, através da Eternificação da consciência, o Poder curador, a Alma-gêmea e a Bem-aventurança. A Alma-gêmea fornece poderosa motivação para vencer as provas e o Poder curador sara as feridas que elas podem acarretar, ao passo que a Bem-aventurança conforta e plenifica a alma, também segura de alcançar a sua Eternificação. Naturalmente, nisto tudo entra o amadurecimento da compaixão do iniciado, que luta igualmente em nome de todos para sobreviver e trazer ao mundo uma nova luz.

Também podemos dividir a mente em três esferas, a saber: concreta, abstrata e criativa. Esta última já se confunde de certa foma com o plano búdico seguinte, ou intuitivo. Tudo pode ser “criativo” na vida, contudo, esta fase final da mente apenas pode ser realmente conhecida através do exercício de meditação interna dinâmica. Modo geral, dividimos a prática meditativa em duas etapas, mais afeitas à divisão teosófica deste plano portanto, ou seja: uma etapa passiva de tranquilização e concentração, e depois outra etapa dinâmica de expansão e criação. Na primeira etapa, podemos fazer uso da respiração, assim como da abstração das idéias. Na última, vale usar a imaginação, técnica relacionada ao processo criador ou multiplicador de energias, especialmente quando voltado para as coisas sutis. Aqui temos, pois, um “roteiro” sumário da meditação completa. O tema está relacionado sobretudo às etapas finais do Ashtanga Yoga de Patânjali, ou a “Ioga de Oito Partes”, conformada na sua totalidade por:

1) Yamas – Restrições (ética passiva)
2) Nyamas – Prescrições (ética ativa)
3) Asanas - Posturas
4) Pranayamas - Controle consciente da respiração
5) Pratyahara – Abstração
6) Dharana - Concentração
7) Dhyana - Meditação
8) Samady – Identificação, Contemplação

As três útimas fases conformam o Samyama, o tríplice corolário da Yoga de Patânjali, configurando mais propriamente as etapas da meditação. Porém, tanto o Pranayama quanto o Pratyahara, também participam ativamente na meditação, fazendo uma transição e uma preparação para o controle mental. A postura também faz parte disto, embora se trata de uma postura mais ou menos fixa, assim como, é claro, as energias concentradas graças às atitudes éticas.

O Samady final às vezes é associado à iluminação, mas na verdade se trataria aqui antes de uma Identificação, que é a meta da yoga, vista como a busca da Identificação ou yug (raiz da palavra yoga), que significa sugjugar, controlar (a mente), donde a nossa expressão “jugo”. A palavra yoga significa “união” semelhante a religião, do latim religare, “religação”. Assim, a iluminação seria também a meta e a superação da religiosidade, tal como entendida habitualmente de salvação da alma, por exemplo.
Tema sutil e refinado, a iluminação (samadhi, nirvana) costuma ser interpretada e descrita de forma múltipla, existindo também na Yoga e no Budismo, classificações para as sucessivas “etapas da iluminação”.

A rigôr, contudo, a iluminação perfeita vai além da pacificação mental e é um corolário ulterior da yoga, técnica esta definida por Patânjali como yogascittavrttinirodhah, ou seja: "Ioga é a parada das modificações mentais". Não casualmente, quando trata das “técnicas” existentes além da terceira iniciação, Alice A. Bailey quase se reduz a mencionar as “variantes da identificação” (a identificação é, sabidamente, uma das bases da compaixão). A iluminação é o mundo além da mente, embora já use a mente de forma livre e criativa.

O plano búdico ou quaternário é chamado “Mar de Fogo”, um mundo auto-criado de energias divinas, que levou São Paulo a afirmar que “nosso Deus é um fogo consumidor” e Jesus a dizer que “o Pai tem a vida em si mesmo”. Para chegar este plano de glórias eternas, é preciso fazer a preparação do mental superior chamada “a travessia da terra ardente”. Aqui entra a fórmula rosacruz que afirma: “para teres acesso ao fogo, acende uma chama.”
Esta chama espiritual é Trina, porque a Mônada ou o Logos são sabidamente trinos, podendo suas energias ser qualificadas como Som, Luz e Amor. São energias relacionadas à Trindade e à Trimurti, e perspassam todos os planos de forma mais ou menos integrada. Para efeitos sugestivos, tratamos de formular as três fases da meditação completa nos seguintes termos (deixando o resto com a intuição do estudante):

Fase 1: Som, Amor e Luz.
Fase 2: Amor, Som e Luz.
Fase 3: Luz, Som e Amor.

Assim, o Som (que é o Pranava, ou o OM) é o princípio básico e mais material, característico da fase 1. Logo, surge a preponderância do Amor (que é Karuna, compaixão), na fase 2. Para tudo concluir no predomínio da Luz, na fase 3 de conclusão, quando deve existir uma perfeita integração e harmonia dos princípios, devidamente sinalizada. Embora não ainda a fusão destes três princípios, que é a iluminação em si, que acontecerá através do processo descrito como “ascensão de Kundalini”, cujos três Nadis ou correntes correspondem na sua essência e em termos práticos, a estes mesmos princípios harmonizados de Som, Amor e Luz.

* Da obra “Vivendo o Tempo das Profecias”, LAWS

3 comentários:

  1. isso do som, luz e amor, tem haver com a coisa de deitar em forma de estrela no quarto de meditação (preferencialmente na escuridão absoluta), repsirar fundo algumas vezes (estilo pranayana), passar a uma respiração estilo reptil, e, entao, começar a concetrar naquela espécie de ar ocndicionado que liga dentro do cerebro, enquanto as luzes inundam o teto e pressionam o cranio atrás e formiga o entrecenho... o Amor, entao, se dividiria nas tres fases? a reflexão seria a fase inicial, das imagens-pensamento, voce vai vizualizando e perdoando ou dissolvendo as imagens(pessoas, situações, contecimentos) que inspiram pensamentos y emocçoes negativos/ egomaniacas. então a coisa evolui prum quadro onde só se escuta o ar condicionado (zumbido subconsciente) e se mira a luz. é comum lacrimejar bastante, pois quase nao se pisca. então, o quarto inteiro se enche de luz, fogo ou energia. e entao fica-se nesse estado um tempaõ. porque, sinceramente, É BOM PRA CARALHO!

    p.s:.
    dR. sALVI,

    O QUE SÃO ESSES PONTINHOS BRILHANTES QUE COMEÇAM A APARECER DO NADA. PRIMEIRO, SÓ DURANTE 9INICIO) DE CADA MEDITAÇÃO. DEPOIS, SEMPRE Q ENTRO NUM LUGAR MAIS ESCURO, OU MESMO LCARO, ELES FICAM SURGINDO E SUMINDO. (mesmo no trablaho, no meio da rua e... as vezes,boiando em volta das pessoas...)NAO SAO EXATAMENTE AQUELES PIRILAMPOS Q VEMOS CONTEMPLANDO O CEU (AS VEIAS DO DRAGAO)... NEM TAMPOUCO AS aNTENINHAS DA kUNDALINI (... QUE DIABO SÃO,ENTÃO?
    ENTIDADES?

    ResponderExcluir
  2. gostaria de rever o meu ponto de vista sobre os pontinhos. esses pontinhos a q me referi sao exatamente as mesmas anteninhas da Kundalini (o termo é de um sujeito chamado Albomon ou aldomon Ferreira, q surgem no começo da meditação. é q eles começaram a parecer em meio a todo tipo de situação. e em pé. já o"boiando em volta das pessoas", na maioria das vezes sao mais aquelas manchas de enerrgia, tipo cargas energéticas amorfas, predadores mesmo, não?q mais poderiam ser: surgem sempre q alguma mulher flerta comigo, ou quando alguém está expondo alguma ideia de forma excitada, ou alguem mau encarado cisma com a tua cara no meio da rua. os pontinhos as vezes aparecem, mas eles pertencem a mim, nao as pessoas. é uma superposição

    já os pirilambos... as veias do dragao creio sweja porque da janela do meu quarto dá para uma reserva de mata atlantica, é um lugar altamente magnetizado. entao descem aquelas veias energeticas do ceu. nem todo lugar aparece isso. aparecem mais os meros pirilampos, esses em todo lugar. mas as "veias" sao algo visualmente muito mais robusto,
    aqui é um vale infestado de bentivis, gaviões e garças. (essas criaturas misticas

    ResponderExcluir
  3. "a reflexão seria a fase inicial, das imagens-pensamento, voce vai vizualizando e perdoando ou dissolvendo as imagens(pessoas, situações, contecimentos) que inspiram pensamentos y emocçoes negativos/ egomaniacas.",(...)

    na verdade, "visualizando e perdoando" soa um pouco arrogante, como se voce fosse um deus e as coisas-imagens se colocassem aos seus pés para serem julgadas. nao foi isso que eu quis dizer. na verdade, voce trata é de "resolver' as imagens, no sentido de identificar naõ só os erros alheios, mas o sua proria contraparte egomaníaca, o que, sinceramente, é o pricnipal, já que o teor egomaníaco da situação (interação psicosocial)provem muito mais da interpretação com a qual vc fixou a imagem-pensamento dentro da mente(como um ferro em brasa de ferrar bois)do que da atitude alheia. o autentico percorredor da senda deve assumir a responsabilidade por essas camadas de personalidade mundana, desmonta-las uma a uma. é isso que "morre" sob o fogo da meditação, o Amor Incondicional as derrete. é através disso que se abre caminho até a Terra Ardente. quantos menos bagagem desse tipo existir, ao adentrar o fogo, maior o poder de fixação da consciencia dentro do fogo.

    ou não.

    ResponderExcluir